segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Young and beautiful speed painting

Faz um tempinho que não posto nada por aqui, mas as coisas andam bem corridas nesse fim de ano, então aqui vai um desenho que consegui fazer entre uma coisa e outra. Usei uma foto da Lana de referência. É essa foto aqui.

na fase do rafe...

Primeiro fiz o desenho a lápis e finalizei com bico de pena e nanquim. Tenho finalizado meus desenhos assim ultimamente, antes de aquarelar. Mas o meu nanquim não é muito bom pra isso, suspeito que não seja a prova d'água. Se for aquarelar, sugiro o nanquim da  Talens, que é a prova d'água e já vi outras pessoas recomendando. Talvez vocês consigam notar no vídeo que a tinta acaba soltando alguns pedacinhos, se desmanchando mesmo, e em alguns lugares borra bastante, principalmente onde usei muito nanquim ou fiz mais de uma camada. Not cool.

Quanto a aquarela, comprei uma Koh-i-noor e tenho usado ela desde então. Me surpreendeu horrores essa aquarela!! Sério, tenho trabalhado até melhor do que com a Cotman, ela é a mais versátil, talvez por ter uma gama maior de cores, isso não exige muitas misturas. A qualidade também é muito boa, ela as vezes parece ter uma cobertura quase de guache de tão pigmentada, mas isso não atrapalha, até gosto! Mas ela também oferece uma boa transparência pra quem gosta de um efeito mais suave. Postarei uma resenha completa em breve, ok?

Se você tem interesse em tutoriais ou dicas sobre aquarela, visite esse post onde fiz uma compilação de todo o material que já fiz sobre o assunto.

Confiram o speed painting:




E aqui o resultado final:



Espero que gostem e não deixem de comentar!



quarta-feira, 18 de novembro de 2015

TOP 5 melhores INTRO de filmes

Decidi fazer um post listando as 5 melhores intro de filmes que já assisti. Eu sei que devo ter esquecido de algumas pelo caminho, mas aqui vai:


5º LUGAR - SENHOR DAS ARMAS

Esse filme é pesado, mas é foda. A INTRO conta a jornada de uma bala desde sua produção até encontrar a cabeça de um menino durante a guerra. Super recomendo esse filme.






4º LUGAR - AUSTIN POWERS

Austin Powers pode não ter as melhores INTRO em questão de dramaticidade mas com certeza dou pontos pela criatividade. E cara, eu curto humor britânico. Acho os filmes do Austin Powers geniais xD

Oh, behave!






3º LUGAR - WATCHMEN

Na INTRO de Watchmen vemos como os antigos super-heróis acabam sendo forçados a se aposentar, numa era em que seus poderes e sua importância já não são mais os mesmos. Times are changing, indeed.




2º LUGAR - SKYFALL

Não tem o que dizer. Adele é diva, Adele lacra. Pra mim, o Cassino Royale continua sendo o melhor filme da franquia, mas Skyfall tem a melhor INTRO *-*

Let the sky fallll, When it crumbleeees...






1º LUGAR - THE GIRL WITH THE DRAGON TATTOO

Em primeiríssimo lugar, a INTRO de Millenium que quando assisti, no cinema, me deixou simplesmente OMG, o que é isto que estou vendo?! FODA. E o filme vale muito a pena também. Assisti a versão sueca e apesar de cada uma ter suas particularidades, achei a versão americana mais pesada e dramática.

Oh-Oh-Ohhhhh-Ohhh!






BONUS - DONNIE DARKO

Não é uma INTRO, mas está valendo como bônus. Não tem nada mais anos 80 que essa sequência de Donnie Darko. Recheada de clichês, que foram sabiamente usados pra contar uma cena de uma manhã "comum" na escola. Genial.





E aí, que outros filmes vocês adicionariam a este TOP 5?! Deixem nos comentários ;)

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Minha passagem pelo FIQ 2015, Heroica, e mais!

Eu e a cosplayer que encarnou a Feiticeira Escarlate que eu criei pro Heroica! *o*
Nossa aventura começou na sexta a noite, quando embarcamos de ônibus pra BH. Seria uma viagem de 8h, mas pelo menos tentaríamos dormir um pouco pra conseguir chegar inteiros no evento. Ou melhor: pra que aguentássemos um dia inteiro no FIQ e ainda embarcar de volta pra SP no mesmo dia! Hahahaha. Loucura, não é mesmo? Pra quem não sabe o motivo de tudo isso, leia o post anterior.

Nossa cara de "dormi mal pra caralho, mas tô legal"
Chegamos em BH umas 6:30 da matina, e então fomos atrás de um lugar pra tomar café da manhã e dar o tempo de entrar no evento. Isso incluía trocar de roupa num banheiro minúsculo e fazer alongamentos no joelho no meio de uma padoca. Ah, é, pra quem ainda não sabe, meus dois joelhos decidiram dar PT faz umas duas semanas, então tô fazendo fisioterapia, mas tá foda, enfim, isso fica pra outro dia...



Fomos uns dos primeiros a chegar lá na Serraria e também um dos primeiros a entrar. Quando chegamos ainda tinha coisa sendo montada mas foi ótimo porque pudemos ver tudo com calma pela manhã e planejar nosso dia no evento (que palestras assistir, que quadrinhos levar...?). Achei muito louco que fui reconhecida por algumas pessoas que me acompanham pelo canal do Youtube. Sério, é uma coisa muito maluca. Eu era a criança na escola que passava despercebida, que os professores nem lembravam o nome, e que ficava na minha a maior parte do tempo. Então ser reconhecida por pessoas que não conheço numa cidade tão distante é uma coisa que me deixa muito abismada, mas de um jeito bom. Adorei conhecer todo mundo e ver vocês de pertinho! x)




Daí, encontrei as meninas do Heroica, a exposição da qual participei, e fomos entrevistadas pelo Lady's Comics falando sobre nossa participação. Foi muito legal também saber como rolou o processo criativo das outras autoras, que só fiquei sabendo quem eram há apenas algumas semanas! Fiquei me sentindo super lisonjeada por estar no meio delas participando de algo tão significativo. Eu senti que o FIQ desse ano homenageou as mulheres, ou melhor, a sua produção e sua participação no universo dos quadrinhos de uma forma que nunca senti antes. Era muita garota quadrinista, muita garota apresentando palestras, participando de palestras, sendo entrevistadas, sendo homenageadas. Eu lembro que um tempo atrás respondi numa entrevista pro IG sobre a questão de não ter muita mulher nesse meio. Naquela época eu disse que as pessoas não viam ou fingiam não ver, porque tinha, sim, muita mulher produzindo. Nesse FIQ eu tive a comprovação da minha resposta. Tudo que acompanhei na internet, ví lá refletido, e foi lindo.


Abram a imagem em full pra poder ler o texto de introdução!

Ainda sobre o Heroica, acho que fica bem explicado no VLOG que eu fiz do evento (assista no player abaixo). 5 ilustradoras fizeram a releitura de 5 super-heroínas clássicas, dando a elas nova personalidade, nova história e novo figurino, de acordo com o que acreditássemos que essas personagens deveriam ser. Fica claro que o problema não era apenas as roupas hiper-sexualizadas, mas como poderíamos transformá-las em mulheres normais, com seus objetivos, medos, sonhos, com suas qualidades e imperfeições.



A super-heroína que escolhi foi a Feiticeira Escarlate. Acabei escolhendo ela porque percebi que tínhamos algumas coisas em comum. Ela parece não conseguir controlar todos os aspectos de seus poderes e acaba saindo do controle. Fiquei pensando que, assim como eu, ela teve que lidar com certas coisas sobre si mesma e finalmente entraria numa fase de busca pelo auto-conhecimento.


"Nesta versão, a Feiticeira é uma jovem-adulta que está começando a aprender a controlar seus grandes poderes e numa busca por auto-conhecimento. Depois de alguns acontecimentos devastadores, decide se redimir das destruições que causou fundando uma ONG para ajudar jovens mutantes e também viaja o mundo fazendo palestras para divulgar seu trabalho, defendendo seus novos ideais. Eu não quis tirar dela toda sua sensualidade, que eu acredito que seja parte de sua personalidade, mas acredito também que existem diversas maneiras de fazer isso, sem expor demais ou sexualizar seu uniforme."



E então, além da exposição do nosso processo criativo e dos trajes que criamos, havia uma cosplayer vestindo esse traje e incorporando nossas personagens circulando pelo evento. Fiquei muito feliz quando finalmente encontrei a Paula, que fez a Feiticeira. Ela deve ter me achado maluca quando a vi e gritei "Minha criação!!". Vergonhoso, eu sei, mas não pude evitar hahahaha. Ela ficou incrível e deu um pequeno depoimento que vocês podem ver no VLOG também! x)




Morri.








Bom, então fomos pra palestra com o Jeff Smith, autor de Bones. E cara, melhor palestra do dia! Sério. Sabe quando você fica fascinado pela simplicidade do autor, pela sua história, pelo seu processo e como tudo isso te inspira de alguma forma? Mesmo sendo um autor consagrado, ele passa pelas mesmas coisas, mesmos perrengues que nós, meros quadrinistas mortais. E então, quando indagado sobre a razão pela qual ele faz quadrinhos, ele deu a melhor resposta: "I draw comics because I have to. And I think anyone here who draws comics agrees with that" (Eu faço quadrinhos porque preciso. E eu acho que qualquer um aqui que faça quadrinhos concorda com isso) SIM, JEFF, CONCORDAMOS! 


Minhas considerações sobre o FIQ 2015

- Tinha MUITA mesa de artista. Muita mesmo! Muitos lançamentos independentes e gente que apoiei no Catarse. Fiquei muito feliz com essa visibilidade.

- Os autores, mesmo famosos, estão super disponíveis pra conversar. Entreguei o Vidas para os gêmeos Fábio Moon e Gabriel Bá e bati um papo rápido com eles (fiquei tímida e travei... fazer o que! Até Youtuber sofre com timidez hahahahah).

- Conheci muuuuita gente que acompanho apenas pela internetz, revi amigos e conhecidos, fiz alguns contatos e também encontrei alguns de vocês que me acompanham pelas minhas redes. Nossa, adorei conhecer todo mundo, e acho que foi isso que fez meu dia tão bom, apesar de todo o cansaço.

- O evento trouxe esse questionamento sobre representatividade feminina, que acho que tem tudo a ver com o que está acontecendo na atualidade e apenas reflete o momento que estamos vivendo. Não só há mais espaço para autoras mulheres, como há mais interesse das mulheres em consumir quadrinhos. Na palestra do Jeff Smith ele disse que ficou muito feliz em ver que naquele dia da palestra havia um número equilibrado de homens e mulheres assistindo. Estamos no caminho certo!!




Então, pra terminar, fiz uma pequena rapa nas mesas de artista. Não comprei nada na Comix (vou contar um segredo: passei na Comix pra comprar as edições de Vidas pra entregar pro Fabio Moon, porque a esperta aqui não levou nada na mochila... tudo bem que eu não queria ficar carregando muito peso, mas pra minha defesa, foi só isso que comprei na Comix - meu próprio quadrinho... WTF). Minha ideia era pegar os quadrinhos que havia apoiado no Catarse e mais alguns que já estava de olho há um bom tempo. Faltou coisa? Se faltou... mas o rombo no bolso foi grande o bastante por um dia. Mas o melhor de tudo foi conseguir todos autografados pelos artistas /o/

Voltei pra casa capotada num maravilhoso ônibus leito-cama, depois de um Dramin esperto, e só acordei em SP, 8 horas depois, meio assustada e muito agradecida por ter dormido a viagem inteira feito um bebê embalado pelo balanço do busão. É oficial: só viajo de leito a partir de agora! Hahaha. Sério, que poltrona era aquela, DEUS!

E agora, confiram o VLOG desse dia intenso xD






quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Nos vemos no FIQ



Pra começar, esse ano passou por alguns altos e baixos. Quem me acompanha sabe que eu estava planejando lançar minha nova HQ, o Black Silence, no FIQ. E também contava com a edição EXTRA de Vidas Imperfeitas, que está pronta desde janeiro e sem previsão de lançamento pela editora (para ler na íntegra, clique aqui). Muitas coisas esse ano me desanimaram a produzir, e lá na metade do ano me dei conta que eu estava correndo contra o tempo, e que eu poderia terminar sim a HQ, mas com a pressa não sairia como eu esperava. Chegou um momento que eu já sabia que não daria certo, e sem nenhuma novidade pra levar no FIQ, desisti da mesa no Artist Alley. Quis dar essa chance pra quem estava na fila de espera, porque eu poderia ir, mas não seria a mesma coisa, sei lá.

Então fiquei esperando chegar o fim do ano pra comprar as passagens e ir como visitante, porque tem muita gente legal participando. Mas então o final do ano chegou, e eu fui postergando toda a organização pra ir pro evento. Cada dia que passava eu ficava mais e mais desanimada com tudo, até que eu pensei que tudo bem não ir esse ano, que já estava muito tarde pra comprar passagens de avião e que a viagem sairia muito cara. Pra completar o meu desânimo com a vida, tive problema nos dois joelhos (!!!) e estou fazendo fisioterapia.

Isso foi até eu ver essa foto aqui que foi postada no Instagram do evento:


Uma foto publicada por FIQ 2015 (@fiqbh) em



Pois é, pra quem não sabe, eu também estou participando do Heroica, um projeto idealizado pela Cris Peter e pela Ariane Rauber. Fiquei super feliz com o convite pra participar desse projeto, em que a gente fez uma versão nossa de super heroínas, principalmente por serem hiper-sexualizadas. Podíamos criar uma nova personalidade, uma nova história, uma nova roupa para esta personagem. Eu fiquei com a Feiticeira Escarlate, e além da exposição com os concept arts, vai ter uma cosplayer vestida com nossas criações andando pelo evento! 

Pois é, aí eu vi meu desenho estampado nessa prévia do evento e surtei. EU PRECISO IR. Preciso ver isso. Preciso ir lá e ver com meus próprios olhos tudo isso e é claro, mostrar pra vocês como foi! Apesar de todos os inconvenientes que vai ser viajar de ônibus num bate-volta com os joelhos fodidos, e sabendo que ficarei andando o dia inteiro e que provavelmente voltarei pra casa sem as pernas, acho que vale a pena o sacrifício. Afinal, somos jovens apesar do meu corpo dizer o contrário. E essa (por incrível que pareça) é a versão resumida de como decidi ir para o FIQ desse ano de ultima hora lol.


Uma foto publicada por FIQ 2015 (@fiqbh) em


QUANDO E ONDE ESTAREI NO FIQ?

No sábado, dia 14/11. Como já sabem, não tenho mesa, mas estarei circulando pelas mesas sempre. Me acompanhem pelo Twitter ou Facebook que podemos combinar de nos encontrar em algum lugar! =)

Quero muito conhecer vocês!! Quem me encontrar vai ganhar marca página mas é só até acabarem xD




domingo, 8 de novembro de 2015

Às vezes parece que não aprendo nunca



Talvez, a essa altura do campeonato, eu deveria ter percebido que a vida é assim mesmo, cheia de altos e baixos, e que, mesmo quando você acha que tudo de ruim já aconteceu, sempre pode piorar. E apesar de eu tentar me manter confiante e positiva na maior parte do tempo, eu desabo. E desabo na mesma intensidade com a qual me mantenho firme, porque a nossa força funciona igual a gravidade...

Mas não queria que esse post fosse sobre lamentação, não. Eu vou deixar isso pra lá. Só queria compartilhar isso porque estou cansada. Estou cansada de me manter nesse estado de letargia, de viver sem saber o porque, sem ter uma razão, um objetivo. De sobreviver. Eu tento superar o fato de que meus amigos, alguns grandes amigos, se foram, e se vão de tempos em tempos. Não para sempre, mas as vezes, para longe. Me sinto sozinha...

Eu tento entender porque me sinto sozinha. Eu me forço até o limite e então todas as minhas energias simplesmente desaparecem. Me pergunto por que me forço tanto. Eu não quero mais me forçar. Talvez eu tenha que parar de ser covarde e fazer as coisas que precisam ser feitas, pra que eu não precise mais me forçar e viva de uma forma mais leve.



E agora.... Agora eu não sei mais o que é isso...

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Uma homenagem a Star Wars em aquarela



Estou testando alguns estilos diferentes tanto de traço quanto de pintura, e decidi aliar isso a minha vontade de fazer algo sobre Star Wars, já que tem um filme aí pra estrear em breve! E nada como explorar esse lado paterno do Darth Vader, afinal, pai é pai! hahahaha!



Gostou dessa aquarela? Você pode comprar ela na minha lojinha online!



Aproveitem também que minha loja está com preço promocional nas MINI AQUARELAS! Mais desenhos irão sair em breve nesse formato, por isso fiquem de olho. Qualquer apoio é super bem-vindo x)